terça-feira, 29 de março de 2016

À ARNICA-DA-SERRA MINHA HOMENAGEM

Na 6ª feira da Semana Santa, é costume ainda encontrarmos, aqui na minha cidade, pessoas vendendo arnica na porta das igrejas. Estes vendedores geralmente fazem uma coleta predatória, indiscriminada e descuidada, da planta, nas serras do Lenheiro e São José. Muito triste!


Também conhecida como arnica-falsa, arnica-da-serra ou candeia a arnica-brasileira (Lychnophora ericoidespossui inúmeras propriedades terapêuticas. É encontrada em serras, solo árido e apenas em determinada altitude.
Planta jovem
Eu adquiri certa intimidade com a arnica e comecei a ama-la profundamente quando fomos oficialmente apresentadas na serra do Rolador, lá pras bandas da serra da Canastra, na primeira vez que lá estive.
Com orientação correta, aprendi a coletar cuidadosamente alguns ramos sem prejudicar a planta. É obvio que só o fiz em locais onde isto era permitido ou seja, fora das áreas demarcadas como áreas de preservação.

Colocada em infusão, no álcool de cereais, preferencialmente em frascos de vidro escuro que depois são guardados no fundo de armários, bem protegidos da luz solar. Um tesouro medicinal.

Uma massagem deste álcool em locais doloridos por pancadas, contusões dores musculares diversas ou reumatismos é um alívio. Também pode ser usado com sucesso contra a coceira provocada por picadas de insetos.

Neste local a arnica não pode e não deve ser colhida.
E, lá na serra da Babilônia, dias atrás, a arnica me presenteou mostrando suas flores. 


Encantamento total.


sexta-feira, 25 de março de 2016

SERRA DA BABILÔNIA

As férias caminham para o fim. Conhecer a Serra da Babilônia era sonho antigo e sempre postergado para “a próxima vez”. E, esta, foi a vez.

Necessário veículo 4x4 e companhia que conheça suas trilhas.

Primeira parada. Morro do Carvão de onde se tem uma vista belíssima da Serra da Canastra e seu vale.


Herança das antigas fazendas de gado, as cercas "rendadas" de pedra. 


Além da cerca, a ponta da Canastra ao fundo.


Inúmeras formações rochosas brotam, inclinadas do solo, como se houvesse chovido rochas que ficaram espetadas ali. Estas aglomerações de rochas vão se revesando com as grandes áreas planas cobertas com vegetação típica do cerrado.


A nossa pequenez frente ao imenso e profundo vale.



Um morador ilustre  se mostrou ao longe, muito ao longe, não querendo saber de aproximação.



Imensidão.


Há, um ponto em que pedras formam dezenas de canteiros naturais onde, diversas espécies de vegetação se encaixam, formando arranjos caprichosos. É o “jardim suspenso da Babilônia”.



Visão frontal da parte alta da Serra da Canastra com a famosa Casca D’Anta em toda a sua majestade.



E a cereja do bolo. A cachoeirinha com um poço de tirar o folego. A nascente do Taboão.
O poço estava com aproximadamente 1,70m de profundidade.




Eu penso que, estar num lugar destes, percebendo com todos os sentidos, a mão Dele, é uma forma de oração.
Oração sem palavras, só o agradecimento, profundo e emocionado, saindo do coração. 


quinta-feira, 17 de março de 2016

PARTE ALTA DA SERRA DA CANASTRA - O VISUAL E ALGUNS PÁSSAROS

Um pouco do visual da parte alta da Serra da Canastra. Percurso entre a nascente do rio São Francisco e a o local que fica um pouco antes dele se precipitar, no vale, formando a cachoeira Casca D’Anta.



Quando vim aqui, pela primeira vez, tive a rara oportunidade de ver, nadando, neste local, um casal do pato mergulhão. Uma ave migratória que vai até o Canadá e corre o risco de extinção. 




Curral de pedras. Antes da região se tornar uma área de preservação, os fazendeiros antigos levavam o gado para este planalto e este cercado de pedras foi feito por eles. 




Sua majestade o carcará.

E olhem só quem estava lá: os pica-paus lá de casa!!!! (aqui)


O passeio à parte alta da serra dura um dia inteiro. Eu voltaria no outro dia e no outro e no outro... Nunca me canso de lá mas, é necessário contratar  veículos 4x4 e fica bem dispendioso.

Neste dia, voltando, ainda visitei uma queijaria moderna onde fabricam o “queijo canastra” numa versão gourmet. Se o queijo comum já é delicioso imagine o gourmet...
Bem, isto é assunto para outro post.

quarta-feira, 16 de março de 2016

PARTE ALTA DA SERRA DA CANASTRA - AS FLORES

Quem vem à Serra da Canastra faz dois passeios que são tradicionais. Um na parte baixa para visitar a famosa cachoeira Casca D’anta e outro na parte alta as serra para conhecer a nascente do rio São Francisco e a parte do alto da cachoeira Casca D’anta.
Mesmo sendo repetido, a cada vez, sempre há uma surpresa, coisas nunca antes visualizadas.
Vou dividir este passeio em dois posts para não ficar muito grande.
Minhas fotos não são as tradicionais pois, dessas, já tenho muitas arquivadas. Desta vez quis caminhar e encontrar, a cada passo, uma florzinha escondida no meio do capim tradicional da serra.


AS FLORES


















E o  capim... 


Estas são apenas algumas flores que vi, por lá, desta vez.
E, lembre-se, não é primavera!!!




segunda-feira, 14 de março de 2016

CENAS DA SERRA DA CANASTRA

A pousada. O chalézinho.


Pedacinho do café da manhã. Pão de queijo e queijo canastra derretido na chapa no fogão a lenha.


Moradora ilustre da pousada. Bibi, mas, eu a chamo Lady Dy.


Cortador de grama ecologicamente correto.


Passeando pelos arredores.





 


 

 Chuva.


 Visita após a chuva.


Anoitecendo.


Até a próxima, se a internet por aqui colaborar.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...