domingo, 27 de setembro de 2015

PITANGUEIRA SAPECA

Para compensar todo o lixo fotografado, durante a semana, o frescor e o perfume das flores da pitangueira do nosso quintal.



Não falarei de crianças, moças, velhotas ou animaizinhos “sapecas”.
Viajando um pouco no tempo, homenagearei as antigas cozinheiras que não contavam com o conforto de comprar frango morto, depenado, limpo, cortado e congelado no supermercado.
Os aplausos são para aquelas que corriam atrás do escolhido no quintal, cortavam o pescocinho do dito (nós crianças éramos proibidas de sentir pena do infeliz pois, se o fizéssemos, ele demoraria a morrer), esperavam o sangue escorrer, depois mergulhavam o coitado em água escaldante, depenavam e o sapecavam rapidamente para queimar as penuginhas restantes. Então vinha a parte de abrir, retirar o recheio visceral, picar...
Uma trabalheira que presenciei, tomada por um misto de repugnância, pena e culpa por me penalizar, muitas e muitas vezes na infância.

Então, na brincadeira da Chica, minha homenagem:



Boa cozinheira antiga
sapeca aves com maestria.


Boa semana!

16 comentários :

  1. Egléa, eu já presenciei uma vez e também fui culpada pela galinha ter demorado a morrer. Depois disso sempre fugi pra não ver e não ficar com dó de comer a pobrezinha.
    Mas faz parte né...
    Beijos
    Ah, e sua pitangueira está linda!

    ResponderExcluir
  2. Você foi longe no significado quase esquecido! Adorei! Beijo! Renata

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Eglea
    Eu fui obrigada quando mocinha a fazer tudo isso pela mãe... era terrível! Ela não o fazia e me dava a tal incumbênia horrorosa... Nunca mais!!!
    Bem lembrado...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  4. Églea, não queria nem ver quando iam matar o peru e até os caranguejos para o almoço.Se depender de mim,viro vegetariana,mas não mato nenhum animal pra comer.É realmente uma trabalheira também.Linda a imagem das flores!Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Hum, peguei esse tempo, viu, achava esquisito e não gostava de ver as cenas torturantes!
    Você foi bem imaginativa...
    Linda pitangueira!
    Bjs e boa semana...

    ResponderExcluir
  6. Sublime participação querida amiga ,desejo-lhe uma semana muito abençoada ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderExcluir
  7. Coitadas mesmo! Precisavam sapecar.Nem tinha lembrado desse significado,mas agora lembro da minha avó sapecando! bjs, obrigadão<chica

    ResponderExcluir
  8. Foi longe na recordação e tua homenagem ficou perfeita Egléa
    Maravilhosa pitangueira em flor
    Beijos e uma boa semana

    ResponderExcluir
  9. Interessante a sua frase,Eglea
    Maravilhosa imagens.
    Linda semana.
    Beijos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  10. Oi Egléa eu vivenciei isto muito frequentemente, pois meu avô tinha restaurante , e todos os dias faziam pratos com frangos. Também em minha casa , como dos demais familiares e amigos que visitava, sempre foi este o costume: sapecar frangos. Eu tive que matar um ,um dia e não consegui, mas depois de morto , ajudei a depenar e retalhar...ViVências ...
    Espia minha sapequice ...
    Boa semana e aquele abraço!

    ResponderExcluir
  11. Ara! Que diacho! Eu bem que achei que meu comentário tinha evaporado e evaporou, mas não tem problema, sei bem o que vc disse aqui! Fui criada vendo minha nona puxar o pecoço das galinha e depois sapecá-las com água fervente. Detestava a brutalidade dela! Abração, feliz semana!

    ResponderExcluir
  12. Sei bem como era essa época! Na minha infância presenciei muito isso! Eu nem ficava perto na hora do abate, corria pro quarto, mas quando era o dia do porco era ainda pior, coitado do bichinho gritava que só! Eu e meu pai nunca comíamos as galinhas criadas em casa, sempre que elas iam pra panela a minha mãe já sabia que tinha que fazer dois ovos fritos! rs
    Adorei sua participação, Egléa!

    Bjs e uma ótima semana! =)
    Vivendo e Aprendendo
    Fotos e Prosas

    ResponderExcluir
  13. Églea, muito bom você lembrar disso....passei anos sem comer galinha e afins por causa dos meus "traumas" infantis, morria de medo das penosas, e quando elas saiam correndo sem cabeça? Ai ai aquilo era o fim pra mim, rsr.
    Também acho que sou incapaz de matar qualquer animal pra comer, e olha que sou muito carnivora heim.
    Muito boa a sua participação e linda a sua pitangueira sapeca, rs
    Tenha uma ótima semana. Beijos

    ResponderExcluir
  14. Caraca... cansei só de ler como era no dia de comer frango! Graças a Deus inventaram o frango que já vem temperado pronto para o forno! E melhor ainda é o que já trazemos assado da padaria! rs rs rs Na minha pesquisa não apareceu o verbo sapecar... outro dia eu vi o pessoal no RS sapecando a erva mate e é preciso sapecar o frango para queimar as penugens! Bjks Tetê

    ResponderExcluir
  15. Vi muito esta cena e até gostava de correr atrás da escolhida, porque sabia que minha mãe ia fazer uma bela galinha caipira com quiabo e angu, que até hoje adoro.
    Bela lembrança amiga, a gente que é do mato sabe bem disso.
    Um abração mineiro de flor.

    ResponderExcluir
  16. Oi tudo bem? Amei o seu texto homenageando as cozinheiras quando sapecavão frango,já fiz muito isso,e comecei cedo,com 10 anos. Naquela época as crianças começavam a ajudar seus pais cedo,hoje,ela ñ podem tem uma lei que as protegem,mas filhos cedo isso pode,e nenhuma leia as ajuda criar,as vezes sobra para os pais,os mesmo que ñ podem ensinar.Desculpa mudar o rumo,mas uma coisa puxa a outra e eu recordei de mim.e apesar de hoje ser mais fácil agente compar o franco abatido,as vezes pré cozidos,com certeza que aquela época era melhor,o frango tinha mais sabor.
    Amei a frase e a homenagem
    Bjsssssss

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Seu comentário é muito importante para mim!
Um abraço
Egléa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...