segunda-feira, 11 de maio de 2015

BRINQUEDOS ANTIGOS - FERRO A BRASA

Eu era muito pequena, muito pequena mesmo, quatro a cinco anos no máximo, quando ganhei. Eu era  e ainda sou encantada com ele.

Acredito que minha mãe já possuía um dos elétricos mas, em algum lugar, eu já havia visto alguém usando um pois, eu sabia como funcionava.


Não tínhamos fogão a lenha em casa então era difícil conseguir as brasas para abastecê-lo. De vez em quando, minha mãe permitia que a Landa – minha querida irmã mais velha – me levasse até a casa da tia Mariquinha para colocar brasas no ferrinho. E esta é uma das lembranças mais nítidas que tenho da infância.

Tia Mariquinha era tia do meu pai e, para minhas perninhas pequenas, morava distante da nossa casa, no final de uma rua bastante comprida, caminhada interminável. 

Íamos as duas, uma das minhas mãozinhas segurava a da Landa que, antes de sairmos, me fazia prometer que eu não pediria colo no meio da jornada e a outra segurava  firmemente o ferrinho.

Tia Mariquinha era esposa do tio Lindolfo e na casa deles morava a Ana. Não lembro bem, mas acho que fora criada pela tia e, na minha fantasia, ela teria sido escrava. Lá, sempre, éramos recebidas com “mariquita”,  que nada mais é do que o atual flan de coco. Delícia! 

Aqui se colocam as brasas para aquecer o ferrinho.

Logo que chegávamos tia Mariquinha abastecia o ferrinho com umas brasinhas e eu tinha que controlar a ansiedade querendo voltar logo para passar paninhos.

A volta era um sacrifício, as perninhas já cansadas da caminhada da ida e o ferrinho tendo que ser carregado afastado do corpo para não me queimar. A estas alturas, ele já estava frio, as brasinhas já haviam virado cinza pois, a “armação” dos adultos era justamente esta para que eu não me machucasse. E, quando passávamos em frente a estação dos trens eu,  exausta de caminhar, sempre  pedia colo para a Landa  que sempre me atendia.

Detalhe do sistema de ventilação para que as brasas se mantenham acesas.

Nunca consegui passar um paninho sequer com o ferrinho, pois, graças aos cuidados dos adultos,  ele nunca esteve realmente quente nas minhas mãos.

Sempre me acompanhou, vida a fora, usado como objeto de decoração e hoje, sua atual função é fazer com que uma das portas da casa não bata com o vento.

E a rua onde morava a tia Mariquinha continua bem comprida para minhas pernas, hoje, preguiçosas.

8 comentários :

  1. Oi Églea!Eu também tinha um ferrinho destes.só que nunca colocaram brasas nele.Como era bom aqueles tempos de criança.Eu e minha irmã eramos grandes e ainda brincava de casinha.Hoje cedo as crianças não brincam mais assim.Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Egléa! Deixei um comentário na BC mas não podia deixar de contar que aqui em casa tem um ferrinho desses! Minha mãe tinha 8 anos e aprontou uma que deixou minha avó de cabelo em pé: em casa ela não tinha brasas e minha avó considerou esse brinquedo inofensivo... sabe o que minha mãe fez? Acendeu o bico do fogão e aqueceu o ferro pra brincar! Já pensou? Bjks Tetê

    ResponderExcluir
  3. Saudades sabe querida amiga eu também tinha desses ferros ,embora nunca os tivesse usado ,tinha-os como decoração e tinha um que era lindo demais na ponta tinha um galo muito lindo ,muitos beijinhos .

    ResponderExcluir
  4. Isso é muito bom ferro antigo! Avó teve uma Irons semelhante ... infelizmente eu não sei o que aconteceu com ele ...
    Abraco: Palkó

    ResponderExcluir
  5. ah, que lindo!

    Que gostoso recordar essas passagens de sua infância.

    Ficaram para sempre em seu coração.

    Na fazenda dos meus avós tinha e em vários modelos.

    Todos eram usados e, quando chegou o fogão a gás, serviam de enfeites na sala .

    Que pena, se perderam no tempo...não sei quem ficou com eles quando a fazenda foi vendida um pouco antes de vovô partir.

    beijinhos, querida, tenha uma semana bem bonita!!

    Lígia e =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Lovely Eglea. I have a small collection or irons but nothing as special as yours! xx

    ResponderExcluir
  7. Que história mais linda! Adorei! O ferrinho também está muito lindo! Adoro antiguidades e este ferro é demais!Tenho um também, de colocar brasas dentro, que ganhei de um antigo namorado, havia sido da mãe dele. Amei a tua história, uma verdadeira poesia! Bjinho e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Hoje são peças de decoração com flores saindo deles, assim os vejo em algum canto.
    Ainda me lembro de ,minha mãe o balançando no sistema gangorra, para ativar as brasas.
    Ainda me lembro de uma queimadura ao encostar nesta coisa. Junto dele me vem a lembrança do moinho preso na porta cozinha, e que eu menino tinha como atribuição moer o café em grão.
    Belas lembranças e historias de um tempo feliz de idade.
    Eita Minas tão Gerais, mas no interior.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Seu comentário é muito importante para mim!
Um abraço
Egléa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...